terça-feira, 23 de agosto de 2011

Cigarro ficará 20% mais caro este ano



Acréscimo é fruto do repasse de aumento do IPI sobre o produto, que vai passar a vigorar no fim de 2011


No ano passado, o cigarro gerou uma arrecadação de R$ 6 bilhões
 para a Receita Federal  (DIVULGAÇÃO)

Brasília. O preço do cigarro deve ter um aumento de 20% a partir de dezembro deste ano. O aumento será resultado do repasse ao consumidor das novas alíquotas de IPI (Imposto sobre Produto Industrializado) para as empresas fabricantes, que começam a entrar em vigor no fim de 2011.

Essa elevação será feita de forma escalonada e o maior aumento será em janeiro de 2015, quando o valor do cigarro subirá 55%. A informação foi dada hoje pela Receita Federal.

No inicio do mês, a Receita divulgou a criação de duas novas formas de tributação para os fabricantes de cigarro: o regime geral ou o regime especial. Os fabricantes terão de optar por um dos dois sistemas.

Na época, foi anunciado que, no primeiro caso, cada maço de cigarro terá recolhimento de 45% de IPI sobre seu preço. Com isso, a carga tributária sobre o produto poderá subir dos atuais 60% para 81%.

Já no regime especial, o IPI terá um aumento que variável entre 6% e 9% até 2015, somado a um recolhimento que irá de R$ 0,90 a R$ 1,30 por maço e de R$ 1,20 a R$ 1,30 por carteira. Nesse sistema, o aumento médio da carga tributária será de 72%. Segundo Marcelo Fisch Menezes, auditor da Receita Federal, a empresa que não optar pelo regime especial irá entrar automaticamente no regime geral, sistema que tem uma carga tributária mais elevada.

Preço mínimo

O governo instituiu ainda preços mínimos para a comercialização de cigarro no varejo. Essa elevação vai variar de R$ 3 a R$ 4,50 e será feita ano a ano até 2015. A decisão de elevar o tributo sobre o cigarro foi tomada para compensar parte da perda de receita provocada pelos novos benefícios concedidos à indústria. O impacto final nas contas públicas com as desonerações será de R$ 24,5 bilhões em 2011 e 2012 com a nova política industrial. Segundo a Receita Federal, essa elevação no IPI irá fazer com que a arrecadação desse tributo sobre cigarro passe dos R$ 3,6 bilhões para R$ 7,7 bilhões em 2015, um aumento de 105%. No ano passado, o cigarro gerou uma arrecadação de R$ 6 bilhões para a Receita Federal.

OPINIÃO DO ESPECIALISTA
Consumo não deve ser reduzido

O preço do cigarro pode aumentar como for. Quem é viciado não deixa de comprar por causa do preço. Ele só vai deixar de fumar pelo bem da saúde própria. Até quem vai fumar pela primeira vez também não vai deixar de comprar o cigarro por causa do preço. Medida boa foi a proibição do fumo em lugares fechados. Isso sim reduziu o consumo.

Leuriberto Maia
Vendedor aposentado, fumante




MAT�RIAS RELACIONADAS:

0 comentários: